Há anos atrás, que bem parece muito mais Eu vivi a dor de não ser o que queria E de perder o que não devia. A vida passava rápido como um cometa E eu vivi no tempo e na ilusão do seu rastro. Todo o meu cansaço. Sentia na carne, o tremor do desespero e da desesperança E o sabor amargo da dor. Em meio a tristeza de um elo perdido, De viver tão pouco ou nunca ter vivido, Queria antes do derradeiro suspiro, Experimentar o sonho de mudar o meu destino. Foi quando Deus ordenou, Que o vento soprasse a morte. E o véu do meu mundo se rasgou, Para que eu pudesse ver, O que é preciso SER. E no tempo que me resta Aprender a ser FELIZ.